MENDELEY DESCOMPLICADO

   Uma das maiores preocupações da Comunidade Científica é provar a fundamentação teórica das suas pesquisas. Isso é importante por diversos motivos:
  • As ciências se preocupam com a reprodutividade dos seus achados. Essa reprodutividade nem sempre quer dizer que um experimento foi replicado integralmente, muitas vezes é um simples apoio em um experimento ou achado que sustenta a pesquisa. Por exemplo, ao testar um material metálico para condutividade elétrica, o pesquisador está reproduzindo testes anteriores que evidenciaram uma “nuvem eletrônica” nas ligas metálicas. Então, ao publicar o seu artigo, o pesquisador terá de, na fundamentação teórica do seu trabalho, referenciar todos os trabalhos anteriores que sustentaram seu novo achado.
  • Os pesquisadores querem que seu trabalho seja referenciado. Um trabalho bastante referenciado indica um trabalho relevante. Como não existe uma pessoa que fica sentada contando as referências de cada trabalho publicado no mundo, isso é feito pelos computadores e seus algoritmos. Se João publica um trabalho e Maria quer referenciar esta publicação no trabalho dela, é importante que a referência seja feita de forma que os algoritmos encontrem e faça a associação entre os dois trabalhos.

Observe que, ao pesquisar um trabalho no Google Acadêmico (aqui), é exibido o número de publicações que citam aquele trabalho. Essa contagem é realizada por algoritmos que correlacionam diferentes títulos.

  • A Comunidade Acadêmica precisa ter acesso aos trabalhos que fundamentam sua pesquisa. Por isso, as referências devem apresentar nome do pesquisador, título, onde foi publicado, data da publicação e outras coisas. Além de apreciar o seu trabalho, um pesquisador pode querer saber mais sobre o assunto ou contestar alguma pesquisa que fundamentou o seu trabalho. E não há nada de errado nisso! A Ciência é feita de contestações e verificações, isso dá credibilidade a ela.

   Como seria uma imensa bagunça se cada um fizesse sua referência do jeito que quisesse, surgiram diversos modelos. Cada local, com sua comunidade acadêmica, foi apresentando um novo modelo de referência. No Brasil, seguimos as regras da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), os EUA seguem a ANSI, Portugal tem o IPQ, e por aí vai… Obviamente que o pesquisador brasileiro pode ser referenciado pelo pesquisador estadunidense e esses dois serem referenciados pelo português. O que aconteceria se cada uma dessas normas técnicas dos diferentes países tivessem regras discordantes? A referenciação seria inútil em âmbito internacional. Para resolver isso, temos o ISO (Organização Internacional para Padronização): criada em 1947, reúne hoje 246 países. Toda norma internacional é mais geral, e cada país membro pode criar suas normas nacionais – que obedecem às normas da ISO – e as regiões dos países obedecem às normas nacionais respectivas. Por exemplo, nos EUA há diversos tipos de fazer uma referência bibliográfica, como MLA, Chicago e APA. O Brasil todo segue uma única norma, a NBR 6023, criada pela ABNT (você pode acessar essa norma aqui).

   Garantir que referências estejam adequadas não é de interesse apenas dos pesquisadores e das agências de regulamentação, as revistas também querem que essas referências sigam uma determinada norma. Quando você vai publicar, precisa escolher a revista científica e, no site dela deve conter as regras de publicação, que incluem o tipo de referência que deve ser feita. Pensando nisso, a Elsevier, uma grande fornecedora de jornais e revistas científicas, criou o Mendeley (aqui). O Mendeley é uma plataforma social para público acadêmico com diversas utilidades, dentre as quais, apresenta um serviço gratuito que ajuda a criar referências das mais diversas normas, facilitando o seu trabalho.
   O tutorial que segue abaixo ensina a criar uma conta no Mendeley, e o seguinte ensina a criar seu banco de referências. Vamos lá!

CRIANDO UMA CONTA
   1. Acesse o site https://www.mendeley.com/.
Existem duas formas de usar o Mendeley, a web e a versão de instalação (desktop). A versão de instalação é um programa que você adiciona ao seu computador e funciona basicamente da mesma forma que a versão web (exceto por não apresentar a parte de mídia social). Primeiro vamos começar criando o perfil e se habituando com a versão web, depois vamos passar para a versão desktop, onde vamos aprender a fazer referências de maneira rápida e prática.
No topo da página, você encontrará o seguinte:
Se já possuir uma conta, clique em “Sign In” para logar e pule para o segundo tutorial.
Clique em “Create account” para criar uma conta e seguir este tutorial.
Clique em “Download” para baixar a versão de instalação.
   2. Preencha os seus dados nos campos que seguem.
Insira seu e-mail (atenção: é importante utilizar um e-mail real), seu nome, sobrenome e uma senha de acesso.
Agora selecione seu campo de estudo e sua formação acadêmica (se você for graduando ou graduado, selecione “Student > Bachelor“).
Insira o nome completo da sua instituição de Ensino (nada de UFBA, USP… Escreva o nome completo)

Prontinho, sua conta está criada com sucesso e você já será direcionado para o seu perfil!


USANDO A SEU DENDELEY E CRIANDO UM BANCO DE REFERÊNCIAS

 
1. Esta é a imagem da página que seguirá:

Observe que no topo há abas com as diferentes ferramentas do site.
Feed é o seu mural e página de abertura. Onde serão exibidas as suas informações e atualizações mais recentes. Em Library, você verá todos os seus arquivos salvos. Quando você fizer o upload de arquivos, fizer parte de grupos, seguir outros pesquisadores e interagir mais com a plataforma, você terá indicações de publicações e perfis na aba suggest. Stats exibe um resumo estatístico do seu perfil, ou seja, seu índice H, número de publicações, leitores, etc. A aba Groups permite você criar e interagir com já existentes redes de pesquisadores. A funcionalidade é similar aos grupos de redes sociais como Facebook, observe um exemplo de pesquisa abaixo.
As abas Data e Career são respectivamente para que você colabore com a base de dados enviando seus trabalhos e um sistema de oferta e demanda e serviços e emprego e diferentes carreiras científicas, algo similar ao oferecido pelo LinkedIn.
Ainda na página inicial, o Mendeley pode questionar se você é autor de algum trabalho, observe:
Adicionando os seus trabalhos ao seu perfil, você já começa a ter um stats melhor, ajuda na divulgação das suas publicações e pode alimentar o banco de dados com artigos disponíveis.
Outra função útil é fazer ligação com outros perfis. O Mendeley sempre irá sugerir perfis de pesquisadores de áreas relacionadas às suas pesquisas no site. Não é interessante seguir uma quantidade grande de perfis ou perfis não relacionados com sua área de interesse para não entupir o seu feed de informações pouco relevantes.
Agora observe essa parte que segue na página inicial, é aqui que vamos começar a criar as referências bibliográficas segundo a ABNT ou outro modelo. Há duas opções: clicando em “Install Web Importer“, você poderá instalar um programa de criação de referências ou uma extensão do Chrome – falaremos mais disso posteriormente -, e, clicando em “Add documents“, abrirá uma caixa onde você poderá selecionar um arquivo já baixado no seu computador.

Vamos usar como exemplo este artigo abaixo, que já estava previamente salvo no meu computador.
Um algoritmo do Mendeley tentará identificar o arquivo. Observe que ao fazer o upload, o site mostra que reconhece o artigo (ele é recente, mas é relativamente bem conhecido).
Agora o artigo estará disponível na aba Library.
   2. Agora acesse https://www.mendeley.com/downloads e clique em “Download Mendeley Desktop“. O arquivo de instalação é leve (53MB) e será baixado automaticamente. Abra-o e prossiga com a instalação.
O processo de instalação pode levar alguns minutos, aguarde. Não há instalação de programas paralelos, então basicamente você só clicará em “avançar” durante toda a instalação.
Ao finalizar a instalação, o programa será aberto. Faça o login com o e-mail e a senha que foram cadastrados anteriormente.
Instalando este programa, você poderá fazer o upload dos artigos referenciados no seu trabalho mais facilmente.
   3. Agora você instalará as extensões que facilitarão o seu trabalho! Clique em Tools e a seguinte aba será aberta.
Clique em “Install MS Word Plugin” e a seguinte página será aberta.
   4. Agora abra o Word. Observe que a aba “Referências” está diferente, esta parte destacada é amarelo é nova.

Clique em “Style” e depois em “More Styles…“.

Você será direcionado automaticamente para o Mendeley e uma nova janela será aberta. Vá na aba “Get More Styles” e depois digite “brasil”. Selecione a opção “Associação Brasileira de Normas Técnicas (note, Portuguese, Brazil)” e clique em “Install“.
Agora volte na aba”Installed“, pesquise por “brasil” novamente, selecione a mesma opção e clique em “Use this Style“. A opção deve ficar verde, clique em “Done”, na parte inferior da janela, para fechar.

ATENÇÃO: APÓS SEGUIR ESSE PASSO, REPITA A MESMA OPERAÇÃO E INSTALE A VERSÃO “ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (PORTUGUESE – BRAZIL” e utilize essa última versão.

   PITSTOP! Agora, antes de prosseguir com o último passo, precisamos fazer alguns esclarecimentos sobre as normas de referência pela ABNT.
Existem dois tipos de citação, as diretas e as indiretas. As citações diretas copiam trechos dos trabalhos referenciados na íntegra –  por isso, esse tipo de citação é marcado por aspas ou uma formatação textual diferenciada, caso contrário, você estará cometendo PLÁGIO. Já as citações indiretas utilizam do recurso textual paráfrase, ou seja, você reescreve o que o trabalho referenciado com as suas próprias palavras e expõe a leitura que você realizou do texto.
Digamos que, em um artigo, eu disse o seguinte:
Blá-blá-blá, blá-blá-blá, conchas dextrógira são bonitas, blá-blá-blá…

Você quer citar diretamente esse trecho. Há duas possibilidades:

  • “conhas dextrógira são bonitas” (RODOLFO, 2016).
  • segundo Rodolfo (2016), “conchas dextrógira são bonitas”.

Agora, se você deseja realizar uma citação indireta, você escreverá:
  • recentes estudos já apontam a beleza das conchas dextrógira (RODOLFO, 2016).

Dito isso, é importante dizer o que pacote instalado realizará a formatação como está no segundo exemplo da citação direta, caso você deseje fazer o primeiro tipo de citação direta ou uma citação indireta, você deverá editar a citação.

   5. Volte ao Word e clique em “Insert Citation“, a seguinte janela será aberta.
Comece a digitar o título do trabalho ou o autor e diversas opções salvas no seu Mendeley serão exibidas. Selecione a opção desejada, aguarde dois segundos e a citação deve aparecer por conta própria na parte do texto que foi selecionada.

Pode parecer besteira essa funcionalidade, já que você poderia escrever o nome do autor e o ano de publicação por você mesmo, sem muito trabalho. A grande funcionalidade vem a seguir: Ao escrever o seu trabalho e inserir diversas citações, o Mendeley salva as citações utilizadas e, no final do trabalho, quando você clicar em “Insert Bibliography“, toda a seção de referência estará emitida já no formato ABNT.

É realmente uma mão na roda, visto que você teria de escrever e formatar toda a bibliografia no formato ABNT e o programa já salva as suas referências, gerando a bibliografia citada completa com um único clique.
Alerto, contudo, que o programa não é perfeito, pode haver alguns erros e, por isso, é sempre bom checar a bibliografia gerada!
Caso você prefira fazer as citações manualmente, você pode utilizar o pacote “Associação Brasileira de Normas Técnicas (note, Portuguese, Brazil)”, pois ele não difere entre gerar citação e gerar bibliografia, assim, você selecionará os trabalhos que deseja na sua bibliografia um por um (como se fossem citações) e depois coloca-os em ordem alfabética por nome de autor.

PULO DO GATO!

   A parte mais incômoda disso tudo é que estamos trabalhando com arquivos que estão salvos no computador e, muitas vezes não usamos esse tipo de documento. Existe uma extensão do Mendeley para o Chrome que resolve isso.
Clique aqui, selecione o seu navegador – eu utilizo o Chrome, e sugiro esse -, e depois em “Install Chrome browser extension” – ou o respectivo botão que aparecer a depender do seu navegador. Uma nova página será aberta, clique em “+ ADD TO CHROME“.

Depois em “Add extension“,

Um novo botão deve ter aparecido ao lado do endereço URL do seu navegador.
Agora, acesso o Google Acadêmico (aqui), encontre o trabalho que deseja, abra-o, e clique neste novo botão que surgiu e uma janela como a seguinte deverá aparecer na lateral direita do navegador, como a seguinte:
   Clicando em “Save” (botão azul), a referência será adicionada à sua biblioteca do Mendeley. Abra o Mendeley novamente e clique em “Sync” para atualizar a lista com as novas referências salvas.
   Agora as novas referências estarão disponíveis no Word, tanto para citação quanto para geração de bibliografia completa.
   Em caso de dúvidas, correções ou sugestões, deixe uma mensagem nos comentários. Espero que esse tutorial facilite muito na escrita de seus trabalhos.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s